OS 10 HÁBITOS DAS MÃES FELIZES

OS 10 HÁBITOS DE UMA MÃE FELIZ

Em 2011, foi lançado nos EUA um livro onde a pediatra Meg Meeker aborda exatamente este assunto! Com este título:  Ten Habits of Happy Mothers: Reclaiming our Passion, Purpose and Sanity (“Os Dez Hábitos das Mães Felizes: Recuperando nossa Paixão, Propósito e Sanidade”, lançado em 2014 no Brasil. E não se trata de uma formula mágica para que isso aconteça, mas de alguns hábitos que suavizam e nos ajudam a ser mães mais realizadas.

Eu amei muito este livro, é daqueles que tenho vontade de devorar em uma noite, mas quando acaba: ah…mas já? Vou confessar, as vezes pego ele de novo e leio as partes grifadas (sou dessas), para relembrar e verificar algum hábito.

A escritora, muito experiente, conheceu muitas mulheres em busca do ser a MÃE IDEAL, ouviu muitas histórias frustrantes, outras com realizações bem sucedidas e assim foi descobrindo quais eram os hábitos que deixavam as mães mais felizes. Em cada capitulo ela conta histórias sobre alguns de seus pacientes e algumas maneiras de criar o hábito. São eles:

1- Entender seu valor como mãe: Porque o nosso verdadeiro valor como mães vem de três lugares: de sermos amadas, de sermos necessárias e de sabermos que nascemos com um propósito maior. Devemos gostar de quem somos, entender que somos valiosas. Avaliamos o nosso desempenho de uma maneira mais crítica que nossos filhos;

2-Conservar amizades chaves: A maioria de nós não consegue fazer isso. Não há tempo para quase nada, a vida fica cada vez mais exigente à medida que envelhecemos. As amigas que trazem humor à nossa vida martelam pequenas rachaduras na casca que protege o nosso coração, deixando a alegria entrar.

3-Valorizar e praticar a fé: Existem dois níveis de fé que são importantes para nós, mães. Precisamos ter fé em outras pessoas, o que é muito difícil, uma vez que amigos e familiares nos decepcionam. E o mais importante, precisamos ter fé em Deus, seja ele judaico-cristão, Alá, ou o nome que você quiser dar… não conseguimos sozinhas, precisamos confiar em algo maior. Fé não é religião!;

4-Dizer não a competição: Toda mãe compete com outras mães de algum modo, o maior problema é que este “jogo de competir” é disfarçado e profundamente escondido, até de nos mesmas;

5-Ter uma relação mais saudável com o dinheiro: A questão complicada sobre dinheiro vem do fato de que todas nós temos uma relação complicada com ele. Se não prestamos atenção nisso, seu poder pode nos engolir e assumir o controle. Ele nos da segurança, nos diz se somos boas ou não, quando temos muito ou pouco. Acreditamos que fará diferença para os filhos a quantidade de coisas que podemos dar a eles, quando na verdade não é bem assim. Eles querem nosso tempo e não nosso dinheiro;

6-Reservar um tempo para estar sozinha: Já falei sobre neste post aqui, inspirada nesta parte do livro que abriu meus horizontes. A ideia de um momento só meu parecia algo muito estranho e fora do comum, e tão necessário!;

7-Dar e receber amor de uma maneira mais saudável: Tudo o que conhecemos sobre o amor muda quando nasce o primeiro filho, nossa relação com as pessoas ao nosso redor muda completamente, não é mesmo? Nossa relação com o marido não é a mesma, muito menos com nossos pais e sogros. É preciso um equilíbrio para dosarmos e aprendermos a conviver em harmonia

8-Descobrir maneiras de viver com simplicidade: Quando nos tornamos mães não queremos que se esqueçam que somos mulheres, temos nossas necessidades. Além de ser mãe, queremos ser legal, bonita, sensual, magra, ter mais dinheiro… Enfim, queremos dar conta de tudo e de todos o tempo todo, o que não é possível. Precisamos entender qual é nossa missão aqui na terra e abrir mão do que não importa tanto assim.

9-Deixe o medo para trás: É muito complicado, mas necessário. Temos medo que nossos filhos ficam doentes, que se machuquem, que alguém possa fazer algum mal… Precisamos nos libertar deste medo que nos aprisiona, traz ansiedade, nos deixa fora de controle. Ser positivo pode ajudar a anular este medo, afinal as coisas boas neste mundo são maiores que as ruins, precisamos acreditar!

10-A esperança é uma decisão – decida! Precisamos crer que o melhor esta por vir, que existe um futuro lindo para nossos filhos, tudo muda quando temos um propósito de vida e esperança de dias melhores.

Gostou? Tem muito mais, esta escritora é o máximo. Vale a pena ler. Depois me diga o que achou aqui …

Deixe uma resposta